Vamos fantasiar?

O gostoooso de viver é poder fantasiar. Huummn... como assim, Lubs?


Já reparou que quando recebemos um estímulo visual que desperta nossa curiosidade temos vontades sexuais que só cabem no nosso imaginário?


Isso se chama fantasiar. E há momentos em que a nossa vida sexual e mente precisam muuuuito desse estímulo delirante que faz os neurônios flutuarem e o tesão aumentar.


Vem mergulhar nesse assunto com a gente? :)


A fantasia sexual nada mais é do que o desejo latente de um ambiente sexual ou situação sexual que possa aumentar a sensação de prazer na hora do ato sexual. 


Ela é sobre se entregar ao pensamento sem medo de julgamento e, até mesmo, vivenciar seus desejos com liberdade — claro, se eles não ferirem a liberdade e a individualidade do outro. 


Além de fazer o sangue pulsar gostosamente pelo corpo, a fantasia sexual pode estimular o nosso cérebro de várias maneiras deliciantes.


A pesquisa How Fantasies Affect Focus convidou 60 pessoas que foram divididas em dois grupos: um focado em pensamentos amorosos/românticos e o outro em visões sexuais transbordantes, com o objetivo de avaliar o foco desses indivíduos através de testes cognitivos. 


Com resultados opostos em cada grupo, se constatou que diferentes partes do cérebro foram aprimoradas pelo tipo de pensamento pedido ao participante. Confirmando, assim, que fantasias sexuais fazem muuuito bem para o funcionamento mental e proporcionam os seguintes benefícios:


Aumento do pensamento analítico

As pessoas que foram convidadas a fantasiarem sobre sexo se revelaram mais estimuladas na parte analítica do cérebro, que nos ajuda com o foco e a resolução de problemas. 


Os participantes desse grupo provaram ser melhores em tarefas analíticas logo após desfrutarem de uma ou duas fantasias sexuais. 


Estímulo da criatividade

Se você deseja que a sua criatividade seja vibrante, a resposta é mergulhar no romance: a pesquisa concluiu que pensar sobre o amor estimula nossa criatividade porque desencadeia um processamento cerebral global que nos permite conectar ideias diferentes e ter uma visualização completa das coisas.


Uhum, nossos pensamentos românticos — especialmente associados com narrativas mentais de longo prazo — atuam em um espaço cerebral mais idealista. Uuuuh as coisas que só o amor é capaz de fazer com a gente. <3


Descobrindo fantasias sexuais transbordantes 

As fantasias sexuais mais comuns estão centradas em alguns tipos de narrativas. 


A primeira é o sexo com outra pessoa que não seja seu parceiro ou parceira atual. Esse tipo de fantasia internalizada rompe a cadência da relação — ou a falta dela — deixando a pessoa com uma sensação de entusiasmo e excitação. 


A segunda surge no momento sexual a dois, podendo envolver falas, trajes, acessórios e tudo aquilo que o casal está em comum acordo. E a terceira é quando a pessoa fantasia sobre exibicionismo, voyeurismo, ménage ou outras práticas. 


Huuumn… você já percebeu que quando temos fantasias sexuais que quebram normas, elas gravitam em torno de tabus e circunstâncias proibidas? Aquelas que adicionam fogo ou brincam com a dinâmica daquilo que não pode ser socialmente aceito e que normalmente vão além da nossa zona de conforto ou dos nossos parceiros/as?


Segundo o sexólogo Sebastião Nascimento, é suuuper natural termos quaisquer fantasias sexuais. “Aquelas que não externam suas fantasias é por conta de fatores religiosos ou repreensão, mas suas fantasias estão ali, internamente. Ao longo do tempo as fantasias são desenvolvidas, porque sexo é comportamento aprendido. Com o tempo é normal quebrar os paradigmas e colocar a fantasia em prática”, destaca.


Vale lembrar que se você está em um relacionamento é preciso entender em que ponto de amadurecimento sexual ambos estão para alinhar acordos que respeitem e acolham as vontades e desejos de cada um. Combinado?


Fontes: El País, Emtempo, Maude.


leia também

O que acontece com a libido e o orgasmo quando você toma antidepressivos?

Sexo não é só penetração, sabia?

Entendendo a não-monogamia

Ícone em 3d que imita um corpo humano fofo